Ao longo de uma costa de 3.172km de extensão, na Irlanda encontramos praias à porta das cidades, em Belfast e Dublin, e nas suas típicas enseadas rochosas da Costa de Antrim e Cork.

Apesar de o principal atrativo do "país do trevo" serem as suas paisagens verdejantes e monumentos celtas, as praias irlandesas, ladeadas por impressionantes montes e serras, ou os areais que se escondem no clássico nevoeiro, são capazes de deslumbrar até o mochileiro mais expedito.

Num litoral composto por areais imensos, que dado o seu comprimento, nunca parecem sobrelotados, as caraterísticas praias da Irlanda escondem um perfeito destino para amantes de surf, onde condições incríveis de vento e altura de ondas se conjugam como sopa no mel para os praticantes desta modalidade. Como resistir então à promessa de boas ondas, aqui ao lado na Europa, e ainda descobrir paisagens impressionantes?

 
 
 
 

A melhor maneira de partir numa surf trip é a bordo de um SUV, onde levar "bagagem com formato especial", vulgo, a prancha, não é um problema. Partimos ao volante do Opel Crossland X, prático e desportivo, a melhor companhia para conhecer o litoral irlandês de fio a pavio, sem deixar nenhuma onda por surfar. A melhor altura para ir, dizem os sites que comparam o vento e a altura das ondas na Irlanda, será entre julho e agosto, quando a probabilidade de precipitação também será menor em relação à média do ano.

Prático e desportivo, o Crossland X é a melhor companhia para esta viagem

Começamos pelo Condado de Donegal, no norte da Irlanda, onde já se chegou a registar uma onda de 20 metros, com vento a soprar a 140 km por hora. De facto, nesta zona há várias praias conhecidas pelas suas ondas, mas a mais famosa será a de Bundoran, conhecida como a capital do surf na Irlanda. Aqui desfrutamos de uma boa manhã de surf, em que a cereja no topo do bolo é a vista para as suas incríveis falésias. De tarde, aproveitamos para descobrir o Glenveagh Castle, o Donegal Castle e as suas igrejas, típicos exemplares do melhor que a arquitetura e História irlandesa nos pode oferecer. É em Donegal que repousam as Blue Stack Mountains, a maior cadeia de montanhas na Irlanda e uma das visões mais espantosas daquele país.

 
 

 
 

No dia seguinte seguimos ligeiramente para sul, até ao Condado de Sligo, cujo nome deriva de "Sligeach", que significa "local com muitas conchas". Nas praias de Sligo, onde há boas condições para praticar surf todo o ano, os ventos offshore sopram do sudoeste e a altura das ondas tem uma média de três a cinco metros. A praia mais célebre neste condado será a de Strandhill, conhecida pelo surf mas desaconselhada para nadar.

Mais um dia, mais uma boa sessão de surf: chegamos então às praias de Easkey, que nos deixam encantados não só pelas ondas como pela beleza dos seus recifes. No verão, em Easkey, podemos encontrar o mar flat – é uma zona onde podemos ter azar nos meses de maior calor, mas geralmente encontramos ondas de cinco metros.

Pelas praias da Irlanda, entre cenários medievais e de contos de fadas

Ainda em Sligo, encontramos a vila de Mullaghmore, que se revela como um expoente do cenário medieval e de conto de fadas da Irlanda: aqui a praia é encimada por uma serra com um castelo do século XIX, que espreita o areal, vigilante, da beira do monte. As ondas chegam a ter mais de dez metros no verão, com ventos onshore vindos de oeste.

 
 
 
 

A bordo do Opel Crossland X, um automóvel compacto mas de design esguio e elegante, continuamos a nossa viagem pelo sul da costa irlandesa e conhecemos as praias de Bunatrahir Bay, Lackan Bay, Back Strands e mais pelo litoral a fora. As linhas distintas deste automóvel lembram-nos que, a aerodinâmica está para o Opel Crossland X como as linhas hidrodinâmicas estão para a nossa prancha de surf. No mar como em terra, na prancha ou ao volante, sentimo-nos como peixes na água nesta viagem em que tanto enfrentamos o Oceano Atlântico que banha a costa irlandesa como o nevoeiro que se impõe, persistente, nas estradas daquela ilha...

 

Send this to friend